A Festa de Anita

A FESTA DE ANITA

 Luzia Ferrão

Na esfera do bem querer não é computado o tempo. Daí o nosso marujo mais recente, Sarmento, tal como um mecenas da arte, tornou-se o financiador voluntário do aniversário da maruja, amiga, poetisa, fala mansa, Anita, que no cronograma da sua vida ocorreu em 25 de maio. Além de trazer os comestíveis, celebrou o momento cantando (no gogó) recente composição sua, sugestiva de um hino à esperança de um mundo com justiça social e liberdade, sem dominação, em que todos são irmãos, um mundo em harmonia. Diante da atual situação que vivemos, o hino de Sarmento nos lembrou do poema Liberdade,  de Paul Eluard  feito pouco antes da 2ª Guerra.Mundial, mas que teve um papel importante no resgate da esperança da resistência francesa, dos soldados que lutavam nos campos de  guerra. (que, coincidentemente, seria lido no mesmo dia na Oficina).

COISAS QUE TANTO QUERO
Osvaldo Sarmento

As coisas que tanto quero
Só meus sonhos chegam lá.
São poucas e corriqueiras,
Mas difíceis de alcançar
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Sonho ir além do horizonte,
E fazer o destino mudar (Pra ver o que o destino me dá)
Pra que, não muito distante, (Saber se não muito distante)
Se possa um dia chegar (Eu possa um dia chegar)
Às coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Quero um caminho e uma ponte
Sem ter que neles morar,
Um vale calmo, sem montes
Difíceis de atravessar.
Quero uma mesa bem-posta
Pros filhos de qualquer lugar.
Emprego certo, aos montes,
Jorrando que nem uma fonte
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

As coisas que tanto quero
Só meus sonhos chegam lá.
São poucas e corriqueiras,
Mas difíceis de alcançar
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Quero só gente decente
P’ra iluminar nossa gente
Livros, bonecas e bolas
Crianças todas na escola
Chega de andar por aí (Chega de FMI)
Sem rumo, sem ter aonde ir (Já temos bastante aquii)

Chega de dominação
Devemos ser todos irmãos
Perseverança à beça
De um povo farto de promessas
Clamando o que tanto quero
Clamando o que tanto quero

Após o poema, Sarmento fez um breve e emocionante discurso, que deixou os navegantes muito felizes tanto por tocar a cada um em particular,  como pela criatividade e humor.

Também quero lembrar e repartir com o mundo coisas, não tão corriqueiras, algumas delas que já tive a graça recente de consegui-las. Quero um mundo cheio de oficinas: literária, do trabalho, do amor, da esperança, do exercício da honestidade, da cidadania, da solidariedade, etc. Quero um mundo pleno de Anitas, nossa homenageada de hoje, artesã das palavras que desconfio ter a mágica de nos transmitir ternura até nas tramas da paixão, do ódio e da inveja, por exemplo. Torço por um mundo cheio de Adelaides, Cacildas, Eletas. Um mundo repleto de Lourdes, nossa líder, a estrela guia de nosso veleiro pelas águas revoltas da poesia, do conto e pelo que de belo existir na combinação infinita das palavras. Quero um mundo de Luzias, um mundo de Saletes, poetisa, com sua lição de como enxotar a saudade, ainda por mim não inteiramente assimilada; Não pode faltar nesse mundo as Salomés, com seu repente, e quem mais de mulher for desse maravilhoso grupo. Também quero um mundo pleno daquele que fala do tridente do diabo, só superável em maldade pelo tridente de Temer, objeto da próxima obra fantástica do nosso João. Um mundo pleno de Tadeus, com o auxílio de dona Guiomar livrando-nos do mal, amém; finalmente, precisamos de Juniors, tenaz, memória do tamanho do mundo, e cujas intervenções nos remetem aos escombros da alma. Enfim, caras e caros colegas, quero um mundo em que a bondade, a esperança, a solidariedade sempre prevaleçam.

 A nossa homenageada deu-nos um poema para esse blog, escolhido com muito carinho por representar o seu atual momento. Este poema está na coletânea que está sendo publicada pela Editora Chiado, em Portugal, mas que será feito um lançamento aqui em Recife, em data ainda a ser confirmada.

SETE CIDADES

Anita Dubeux

Ruínas sob o sol. Silêncio.
Deserta paisagem onde
outrora ouviam-se cânticos
entoados para amenizar o trabalho
árduo e sempre igual.
Hoje apenas árvores
e folhas soltas no chão
– dissipadas pelo vento constante –
ressoam no cenário de recordação.

O tempo retido no gesto inacabado,
na palavra impronunciada
e para sempre inútil.
Vivenda de lembranças
onde repousa o amor antigo
que habita Sete Cidades.

Recife, janeiro de 2017

De volta ao começo, no Momento Poético tivemos um poema de Paul Eluard que Salete nos enviou, lamentando por não poder estar presente naquele dia. O poema foi Liberdade que, além de ser uma grande obra literária, teve importante papel na história recente, fundamentalmente durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito em 1942, com o titulo Une Seule Pensée (Um Único Pensamento), o poema foi transportado clandestinamente para a Inglaterra onde foi traduzido para várias línguas e distribuído sob a forma de panfleto, lançados dos aviões dos aliados em toda a Europa ocupada. Uma parte dessa história nos diz respeito porque foi Cícero Dias, pintor pernambucano, que morava em Paris à época, o responsável por contrabandear o poema da França ocupada para a Inglaterra. Por esse gesto,  Dias (1907-2003) recebeu a condecoração Ordem Nacional do Mérito,do Governo Francês, em 1998. Outro pernambucano teve contato com a obra e com o próprio autor, Paul Eluard, em 1913-14, quando ambos lutavam contra a tuberculose num sanatório em Cladavel, na Suiça: Manuel Bandeira. Muitos anos depois, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade fizeram a tradução do poema. É esta tradução  que nós estamos trazendo hoje aqui para o blog.

Paul Éluard, pseudônimo de Eugène Emile Paul Grindel (Saint-Denis, 14/12/1895 – Charenton-le-Pont, 18/11/1952)  foi um poeta francês,  autor de poemas contra o nazismo que circularam clandestinamente durante a Segunda Guerra Mundial. Tornou-se mundialmente conhecido como O Poeta da Liberdade. Paul Eluard tem poemas nos filmes de Godard. Liberté também apareceu em filme.

 

LIBERTÉ                                                                  LIBERDADE

Tradução:  Manuel Bandeira                e                 Carlos Drummond de Andrade

Sur mesahiers solier
Sur mon pupitre et les arbres
Sur le sable sur la neige
J’écris ton nom
Sur toutes les pages lues

Sur toutes les pages blanches
Pierre sang papier ou cendre
J’écris ton nomSur les images dorées
Sur les armes des guerriers
Sur la couronne des rois
J’écris ton nomSur la jungle et le désert
Sur les nids sur les genêts
Sur l’écho de mon enfance
J’écris ton nomSur les merveilles des nuits
Sur le pain blanc des journées
Sur les saisons fiancées
J’écris ton nomSur tous mes chiffons d’azur
Sur l’étang soleil moisi
Sur le lac lune vivante
J’écris ton nomSur les champs sur l’horizon
Sur les ailes des oiseaux
Et sur le moulin des ombres
J’écris ton nomSur chaque bouffée d’aurore
Sur la mer sur les bateaux
Sur la montagne démente
J’écris ton nomSur la mousse des nuages
Sur les sueurs de l’orage
Sur la pluie épaisse et fade
J’écris ton nom

Sur les formes scintillantes
Sur les cloches des couleurs
Sur la vérité physique
J’écris ton nom

Sur les sentiers éveillés
Sur les routes déployées
Sur les places qui débordent
J’écris ton nom

Sur la lampe qui s’allume
Sur la lampe qui s’éteint
Sur mes maisons réunies
J’écris ton nom

Sur le fruit coupé en deux
Du miroir et de ma chambre
Sur mon lit coquille vide
J’écris ton nom

Sur mon chien gourmand et tendre
Sur ses oreilles dressées
Sur sa patte maladroite
J’écris ton nom

Sur le tremplin de ma porte
Sur les objets familiers
Sur le flot du feu béni
J’écris ton nom

Sur toute chair accordée
Sur le front de mes amis
Sur chaque main qui se tend
J’écris ton nom

Sur la vitre des surprises
Sur les lèvres attentives
Bien au-dessus du silence
J’écris ton nom

Sur mes refuges détruits
Sur mes phares écroulés
Sur les murs de mon ennui
J’écris ton nom

Sur l’absence sans désir
Sur la solitude nue
Sur les marches de la mort
J’écris ton nom

Sur la santé revenue
Sur le risque disparu
Sur l’espoir sans souvenir
J’écris ton nom

Et par le pouvoir d’un mot
Je recommence ma vie
Je suis né pour te connaître
Pour te nommer

Liberté.

Nos meus cadernos de escola
Nesta carteira nas árvores
Nas areias e na neve
Escrevo teu nome Em toda página lida
Em toda página branca
Pedra sangue papel cinza
Escrevo teu nome Nas imagens redouradas
Na armadura dos guerreiros
E na coroa dos reis
Escrevo teu nomeNas jungles e no deserto
Nos ninhos e nas giestas
No céu da minha infância
Escrevo teu nome Nas maravilhas das noites
No pão branco da alvorada
Nas estações enlaçadas
Escrevo teu nome

Nos meus farrapos de azul
No tanque sol que mofou
No lago lua vivendo
Escrevo teu nome

Nas campinas do horizonte
Nas asas dos passarinhos
E no moinho das sombras
Escrevo teu nome

Em cada sopro de aurora
Na água do mar nos navios
Na serrania demente
Escrevo teu nome

Até na espuma das nuvens
No suor das tempestades
Na chuva insípida e espessa
Escrevo teu nome

Nas formas resplandecentes
Nos sinos das sete cores
E na física verdade
Escrevo teu nome

Nas veredas acordadas
E nos caminhos abertos
Nas praças que regurgitam
Escrevo teu nome

Na lâmpada que se acende
Na lâmpada que se apaga
Em minhas casas reunidas
Escrevo teu nome

No fruto partido em dois
de meu espelho e meu quarto
Na cama concha vazia
Escrevo teu nome

Em meu cão guloso e meigo
Em suas orelhas fitas
Em sua pata canhestra
Escrevo teu nome

No trampolim desta porta
Nos objetos familiares
Na língua do fogo puro
Escrevo teu nome

Em toda carne possuída
Na fronte de meus amigos
Em cada mão que se estende
Escrevo teu nome

Na vidraça das surpresas
Nos lábios que estão atentos
Bem acima do silêncio
Escrevo teu nome

Em meus refúgios destruídos
Em meus faróis desabados
Nas paredes do meu tédio
Escrevo teu nome

Na ausência sem mais desejos
Na solidão despojada
E nas escadas da morte
Escrevo teu nome

Na saúde recobrada
No perigo dissipado
Na esperança sem memórias
Escrevo teu nome

E ao poder de uma palavra
Recomeço minha vida
Nasci pra te conhecer
E te chamar

Liberdade

 

Em seguida foi lido A Festa no Jardim, de Katherine Mansfield. A capitã da embarcação, Lourdes Rodrigues, falou um pouco sobre a autora, da amizade e rivalidade entre ela e Virgínia Woolf que confessara em seu diário ter sido Katherine a única autora que ela realmente invejara. O estilo moderno da autora realmente influenciou toda uma geração de escritores que viam na sua escrita intimista muita densidade e qualidade literária.  A leitura do conto foi acompanhada pelo original em Inglês, o que ajudou a tirar algumas dúvidas, pois havia mais de uma tradução do conto na ocasião. Lourdes Rodrigues havia pedido que lêssemos em casa antes e refletíssemos um pouco, usando os conhecimentos que já dispomos para análise e anotássemos as observações mais relevantes. Além disso como se tratava de um Estudo de Caso extraído do livro Para ler Literatura como um Professor , de Thomas C. Foster, havia uma pergunta que deveríamos fazer :O que trata o conto? Pergunta direcionadora da discussão que revelou não haver muitos pontos comuns, mostrando que a leitura coletiva é muito mais rica exatamente por esse aspecto. Qualquer leitura individual não nos dará a visão ampliada que uma leitura coletiva nos oferece. Houve uma rodada por todos os participantes, cada um do seu lugar no mundo e na literatura trazendo a sua contribuição. Lourdes pediu que levássemos por escrito as nossas visões para compor a análise que seria objeto de um blog. Entretanto, a  análise do nosso marujo  Junior, aplaudida no final, pela profundidade e clareza do ponto de vista psicanalista dos ingredientes do conto, nós gravamos e vamos deixar aqui postado.

:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + nove =