A Festa de Anita

A FESTA DE ANITA

 Luzia Ferrão

Na esfera do bem querer não é computado o tempo. Daí o nosso marujo mais recente, Sarmento, tal como um mecenas da arte, tornou-se o financiador voluntário do aniversário da maruja, amiga, poetisa, fala mansa, Anita, que no cronograma da sua vida ocorreu em 25 de maio. Além de trazer os comestíveis, celebrou o momento cantando (no gogó) recente composição sua, sugestiva de um hino à esperança de um mundo com justiça social e liberdade, sem dominação, em que todos são irmãos, um mundo em harmonia. Diante da atual situação que vivemos, o hino de Sarmento nos lembrou do poema Liberdade,  de Paul Eluard  feito pouco antes da 2ª Guerra.Mundial, mas que teve um papel importante no resgate da esperança da resistência francesa, dos soldados que lutavam nos campos de  guerra. (que, coincidentemente, seria lido no mesmo dia na Oficina).

COISAS QUE TANTO QUERO
Osvaldo Sarmento

As coisas que tanto quero
Só meus sonhos chegam lá.
São poucas e corriqueiras,
Mas difíceis de alcançar
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Sonho ir além do horizonte,
E fazer o destino mudar (Pra ver o que o destino me dá)
Pra que, não muito distante, (Saber se não muito distante)
Se possa um dia chegar (Eu possa um dia chegar)
Às coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Quero um caminho e uma ponte
Sem ter que neles morar,
Um vale calmo, sem montes
Difíceis de atravessar.
Quero uma mesa bem-posta
Pros filhos de qualquer lugar.
Emprego certo, aos montes,
Jorrando que nem uma fonte
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

As coisas que tanto quero
Só meus sonhos chegam lá.
São poucas e corriqueiras,
Mas difíceis de alcançar
As coisas que tanto quero
As coisas que tanto quero

Quero só gente decente
P’ra iluminar nossa gente
Livros, bonecas e bolas
Crianças todas na escola
Chega de andar por aí (Chega de FMI)
Sem rumo, sem ter aonde ir (Já temos bastante aquii)

Chega de dominação
Devemos ser todos irmãos
Perseverança à beça
De um povo farto de promessas
Clamando o que tanto quero
Clamando o que tanto quero

Após o poema, Sarmento fez um breve e emocionante discurso, que deixou os navegantes muito felizes tanto por tocar a cada um em particular,  como pela criatividade e humor.

Também quero lembrar e repartir com o mundo coisas, não tão corriqueiras, algumas delas que já tive a graça recente de consegui-las. Quero um mundo cheio de oficinas: literária, do trabalho, do amor, da esperança, do exercício da honestidade, da cidadania, da solidariedade, etc. Quero um mundo pleno de Anitas, nossa homenageada de hoje, artesã das palavras que desconfio ter a mágica de nos transmitir ternura até nas tramas da paixão, do ódio e da inveja, por exemplo. Torço por um mundo cheio de Adelaides, Cacildas, Eletas. Um mundo repleto de Lourdes, nossa líder, a estrela guia de nosso veleiro pelas águas revoltas da poesia, do conto e pelo que de belo existir na combinação infinita das palavras. Quero um mundo de Luzias, um mundo de Saletes, poetisa, com sua lição de como enxotar a saudade, ainda por mim não inteiramente assimilada; Não pode faltar nesse mundo as Salomés, com seu repente, e quem mais de mulher for desse maravilhoso grupo. Também quero um mundo pleno daquele que fala do tridente do diabo, só superável em maldade pelo tridente de Temer, objeto da próxima obra fantástica do nosso João. Um mundo pleno de Tadeus, com o auxílio de dona Guiomar livrando-nos do mal, amém; finalmente, precisamos de Juniors, tenaz, memória do tamanho do mundo, e cujas intervenções nos remetem aos escombros da alma. Enfim, caras e caros colegas, quero um mundo em que a bondade, a esperança, a solidariedade sempre prevaleçam.

 A nossa homenageada deu-nos um poema para esse blog, escolhido com muito carinho por representar o seu atual momento. Este poema está na coletânea que está sendo publicada pela Editora Chiado, em Portugal, mas que será feito um lançamento aqui em Recife, em data ainda a ser confirmada.

SETE CIDADES

Anita Dubeux

Ruínas sob o sol. Silêncio.
Deserta paisagem onde
outrora ouviam-se cânticos
entoados para amenizar o trabalho
árduo e sempre igual.
Hoje apenas árvores
e folhas soltas no chão
– dissipadas pelo vento constante –
ressoam no cenário de recordação.

O tempo retido no gesto inacabado,
na palavra impronunciada
e para sempre inútil.
Vivenda de lembranças
onde repousa o amor antigo
que habita Sete Cidades.

Recife, janeiro de 2017

De volta ao começo, no Momento Poético tivemos um poema de Paul Eluard que Salete nos enviou, lamentando por não poder estar presente naquele dia. O poema foi Liberdade que, além de ser uma grande obra literária, teve importante papel na história recente, fundamentalmente durante a Segunda Guerra Mundial. Escrito em 1942, com o titulo Une Seule Pensée (Um Único Pensamento), o poema foi transportado clandestinamente para a Inglaterra onde foi traduzido para várias línguas e distribuído sob a forma de panfleto, lançados dos aviões dos aliados em toda a Europa ocupada. Uma parte dessa história nos diz respeito porque foi Cícero Dias, pintor pernambucano, que morava em Paris à época, o responsável por contrabandear o poema da França ocupada para a Inglaterra. Por esse gesto,  Dias (1907-2003) recebeu a condecoração Ordem Nacional do Mérito,do Governo Francês, em 1998. Outro pernambucano teve contato com a obra e com o próprio autor, Paul Eluard, em 1913-14, quando ambos lutavam contra a tuberculose num sanatório em Cladavel, na Suiça: Manuel Bandeira. Muitos anos depois, Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade fizeram a tradução do poema. É esta tradução  que nós estamos trazendo hoje aqui para o blog.

Paul Éluard, pseudônimo de Eugène Emile Paul Grindel (Saint-Denis, 14/12/1895 – Charenton-le-Pont, 18/11/1952)  foi um poeta francês,  autor de poemas contra o nazismo que circularam clandestinamente durante a Segunda Guerra Mundial. Tornou-se mundialmente conhecido como O Poeta da Liberdade. Paul Eluard tem poemas nos filmes de Godard. Liberté também apareceu em filme.

 

LIBERTÉ                                                                  LIBERDADE

Tradução:  Manuel Bandeira                e                 Carlos Drummond de Andrade

Sur mesahiers solier
Sur mon pupitre et les arbres
Sur le sable sur la neige
J’écris ton nom
Sur toutes les pages lues

Sur toutes les pages blanches
Pierre sang papier ou cendre
J’écris ton nomSur les images dorées
Sur les armes des guerriers
Sur la couronne des rois
J’écris ton nomSur la jungle et le désert
Sur les nids sur les genêts
Sur l’écho de mon enfance
J’écris ton nomSur les merveilles des nuits
Sur le pain blanc des journées
Sur les saisons fiancées
J’écris ton nomSur tous mes chiffons d’azur
Sur l’étang soleil moisi
Sur le lac lune vivante
J’écris ton nomSur les champs sur l’horizon
Sur les ailes des oiseaux
Et sur le moulin des ombres
J’écris ton nomSur chaque bouffée d’aurore
Sur la mer sur les bateaux
Sur la montagne démente
J’écris ton nomSur la mousse des nuages
Sur les sueurs de l’orage
Sur la pluie épaisse et fade
J’écris ton nom

Sur les formes scintillantes
Sur les cloches des couleurs
Sur la vérité physique
J’écris ton nom

Sur les sentiers éveillés
Sur les routes déployées
Sur les places qui débordent
J’écris ton nom

Sur la lampe qui s’allume
Sur la lampe qui s’éteint
Sur mes maisons réunies
J’écris ton nom

Sur le fruit coupé en deux
Du miroir et de ma chambre
Sur mon lit coquille vide
J’écris ton nom

Sur mon chien gourmand et tendre
Sur ses oreilles dressées
Sur sa patte maladroite
J’écris ton nom

Sur le tremplin de ma porte
Sur les objets familiers
Sur le flot du feu béni
J’écris ton nom

Sur toute chair accordée
Sur le front de mes amis
Sur chaque main qui se tend
J’écris ton nom

Sur la vitre des surprises
Sur les lèvres attentives
Bien au-dessus du silence
J’écris ton nom

Sur mes refuges détruits
Sur mes phares écroulés
Sur les murs de mon ennui
J’écris ton nom

Sur l’absence sans désir
Sur la solitude nue
Sur les marches de la mort
J’écris ton nom

Sur la santé revenue
Sur le risque disparu
Sur l’espoir sans souvenir
J’écris ton nom

Et par le pouvoir d’un mot
Je recommence ma vie
Je suis né pour te connaître
Pour te nommer

Liberté.

Nos meus cadernos de escola
Nesta carteira nas árvores
Nas areias e na neve
Escrevo teu nome Em toda página lida
Em toda página branca
Pedra sangue papel cinza
Escrevo teu nome Nas imagens redouradas
Na armadura dos guerreiros
E na coroa dos reis
Escrevo teu nomeNas jungles e no deserto
Nos ninhos e nas giestas
No céu da minha infância
Escrevo teu nome Nas maravilhas das noites
No pão branco da alvorada
Nas estações enlaçadas
Escrevo teu nome

Nos meus farrapos de azul
No tanque sol que mofou
No lago lua vivendo
Escrevo teu nome

Nas campinas do horizonte
Nas asas dos passarinhos
E no moinho das sombras
Escrevo teu nome

Em cada sopro de aurora
Na água do mar nos navios
Na serrania demente
Escrevo teu nome

Até na espuma das nuvens
No suor das tempestades
Na chuva insípida e espessa
Escrevo teu nome

Nas formas resplandecentes
Nos sinos das sete cores
E na física verdade
Escrevo teu nome

Nas veredas acordadas
E nos caminhos abertos
Nas praças que regurgitam
Escrevo teu nome

Na lâmpada que se acende
Na lâmpada que se apaga
Em minhas casas reunidas
Escrevo teu nome

No fruto partido em dois
de meu espelho e meu quarto
Na cama concha vazia
Escrevo teu nome

Em meu cão guloso e meigo
Em suas orelhas fitas
Em sua pata canhestra
Escrevo teu nome

No trampolim desta porta
Nos objetos familiares
Na língua do fogo puro
Escrevo teu nome

Em toda carne possuída
Na fronte de meus amigos
Em cada mão que se estende
Escrevo teu nome

Na vidraça das surpresas
Nos lábios que estão atentos
Bem acima do silêncio
Escrevo teu nome

Em meus refúgios destruídos
Em meus faróis desabados
Nas paredes do meu tédio
Escrevo teu nome

Na ausência sem mais desejos
Na solidão despojada
E nas escadas da morte
Escrevo teu nome

Na saúde recobrada
No perigo dissipado
Na esperança sem memórias
Escrevo teu nome

E ao poder de uma palavra
Recomeço minha vida
Nasci pra te conhecer
E te chamar

Liberdade

 

Em seguida foi lido A Festa no Jardim, de Katherine Mansfield. A capitã da embarcação, Lourdes Rodrigues, falou um pouco sobre a autora, da amizade e rivalidade entre ela e Virgínia Woolf que confessara em seu diário ter sido Katherine a única autora que ela realmente invejara. O estilo moderno da autora realmente influenciou toda uma geração de escritores que viam na sua escrita intimista muita densidade e qualidade literária.  A leitura do conto foi acompanhada pelo original em Inglês, o que ajudou a tirar algumas dúvidas, pois havia mais de uma tradução do conto na ocasião. Lourdes Rodrigues havia pedido que lêssemos em casa antes e refletíssemos um pouco, usando os conhecimentos que já dispomos para análise e anotássemos as observações mais relevantes. Além disso como se tratava de um Estudo de Caso extraído do livro Para ler Literatura como um Professor , de Thomas C. Foster, havia uma pergunta que deveríamos fazer :O que trata o conto? Pergunta direcionadora da discussão que revelou não haver muitos pontos comuns, mostrando que a leitura coletiva é muito mais rica exatamente por esse aspecto. Qualquer leitura individual não nos dará a visão ampliada que uma leitura coletiva nos oferece. Houve uma rodada por todos os participantes, cada um do seu lugar no mundo e na literatura trazendo a sua contribuição. Lourdes pediu que levássemos por escrito as nossas visões para compor a análise que seria objeto de um blog. Entretanto, a  análise do nosso marujo  Junior, aplaudida no final, pela profundidade e clareza do ponto de vista psicanalista dos ingredientes do conto, nós gravamos e vamos deixar aqui postado.

:

 

Mais fragmentos do baú

Das viagens marianas tirei do baú Austro Costa, apresentado por Salomé Barros, viageira que gosta muito dos versos dos poetas da terrinha, assim como todos nós.

Austro Costa, além de poeta, jornalista, compositor nascido Austriclínio Ferreira Quirino, que ele assim que se descobriu homem das letras tratou de modificar, adotando aquele pseudônimo. Ao longo do tempo usou outros, entre eles, João da Rua Nova, Alcedo Tryste, Chrispim Fialho, Fra-Diávolo, João Queremista, João-do-Moka sem abandonar, jamais, o primeiro. Nasceu em Limoeiro, em 1899, órfão de pai, abandonado pela mãe, criado por um tio comerciante que o colocou para trabalhar no balcão de sua loja de tecidos. Mas parece que não era muito dado aos negócios, preferindo trabalhar na biblioteca como zelador, mais próximo dos seus amores. A sua carreira poética iniciou em LImoeiro, ali publicou seu primeiro poema, no jornal “O Empata”.

Vindo para a cidade do Recife, trabalhou numa empresa distribuidora de livros em fascículos (1918) e atuou na imprensa ocupando funções de repórter, cronista, copydesk em vários jornais A Luta, Jornal do Recife, Jornal do Comercio, A Notícia, Diário da Tarde e no Diário de Pernambuco, onde escreveu regularmente de 1922 a 1929. No Diário da Tarde, manteve a seção de sonetos humorísticos De Monóculo, de 1933 a 1935, da qual nasceu o livro póstumo organizado pelo escritor Luiz Delgado em 1967. A sua faceta humorística e satírica, que explorava bem o coloquial e a circunstância, são constatadas na longa série de sonetos De monóculo. Ele fazia um tipo dândi sempre presente nos círculos sociais, nas revistas e jornais com muito sucesso pela seu humor e sociabilidade.

O primeiro livro de poesias Mulheres e rosas foi publicado em 1922, recebendo boa crítica. Integrou em 1924, o Movimento Modernista em Pernambuco, aderindo ao verso livre, versando sobre o cotidiano. Seu segundo e último  livro De Vida e Sonho recebeu o prêmio Academia Pernambucana de Letras, Othon Bezerra de Melo. O poeta também compôs vários hinos. Ele dizia que tinha três “cachaças”: imprensa, política e poesia.

Segundo Gilberto Freyre, ele foi “um dos melhores poetas românticos de Pernambuco. Entre seus poemas mais famosos estão Capibaribe, meu rio; Salomé Toda de Verde;  O Recife da Madrugada é um Poema Futurista; Tartufo-mor; e O Último Porto, considerado pelo crítico Fausto Cunha como um dos vinte maiores sonetos da literatura brasileira.Em 1994, a FUNDARPE publicou uma antologia poética de Austro Costa, organizada pelo escritor Paulo Gustavo e com prefácio de Mauro Mota. Poemas que só foram publicados em revistas e jornais e que permaneciam inéditos em livro. Em 1949, ele havia tomado posse na cadeira nº. 5 da Academia Pernambucana de Letras.

Casou-se aos quarenta e oito anos de idade com Helena Lins de Oliveira.

Faleceu em Recife, outubro de 1953, em decorrência do acidente com o ônibus no qual ele viajava. Dizem que ele havia cedido o seu lugar para uma senhora e viajava, na ocasião, em pé, lendo um livro.

Austro Costa privilegiou o seu tempo, as paisagens, os lugares, costumes, eventos através de crônicas e versos.

O Último Porto
A Nehemias Gueiros

Porto do Desencanto. Cais do tédio.
Calmaria. Abandono. Solidão.
(A quem dizer meu último epicédio
A quem fazer minha última canção)

Depois de tanto malogrado assédio
a naus esquivas que bem longe vão,
– eate ancorar soturno, e sem remédio,
do velho brigue que é meu coração…

meu navio-pirata doutros dias,
velas colhidas – que de nostalgias
nessa langue modorra junto aos cais!

Ontem Mar alto… expedições bizarras…
Hoje (é inútil que tremas nas amarras)
a solidão… a bruma… o nunca-mais!…

Salomé toda de verde…

O teu vestido verde, esse vestido
com que te vi domingo, na novena,
não condiz bem com tua tez morena..
Não o uses mais! Atende a este pedido

Tu, que és somente Malvadez e Olvido
e tens no peito um coração de hiena,
olha que esse vestido te condena
e é, no teu corpo, um símbolo traído!

Guarda o vestido verde… ou não te zangue
o que te imploro aqui, flor das ingratas:
muda-lhe a cor… embebe-o no meu sangue!

Sou teu São João, ó Salomé sem dança!
mas, se – morena e má – rindo me matas,
não me mates vestida de esperança!…

Poema do Frevo

A Cidade, cedo, vira camarada,
vem toda para rua, […]
toda alvoroçada,
toda colorida,
sem pensar na crise,
sem pensar na vida,
sem pensar em nada…
vem toda para a rua vibrante, enfustecida
saracoteante”.
vibrar,
delirar…
E a farsa burguesa dos vãos preconceitos
Visíveis e estreitos
– Olé !-
de logo é esquecida, anulada, vaiada em tumulto […]
isto é,
o estalido orgulho, a vã fatuidade,
toda a austeridade
da burguesia
de pronto se desfazem em louca alegria
– EVOHE! EVOHE! –
e haja liberdade,
e haja intimidade,
a larga, a vontade…
Que promiscuidade!
Que democracia!
Carnavalesca Cidade!
Paraíso da Folia!…
FOLIA!

Depois de Austro Costa, continuamos a nossa viagem literária  dessa feita com o cordel de Salomé Barros Maturidade Rima com Sexualidade:

MATURIDADE RIMA COM SEXUALIDADE

Salomé Barros

A vida nesse planeta
Tem constante evolução
Já nascemos programados
Pra cumprir uma missão
E tudo correndo bem
Ganhamos prorrogação

Acrescentar vida aos anos
Riqueza à maturidade
Incluindo com certeza
A sexualidade
Cuidando pra não perder
O prazo de validade

Cada um é diferente
Ninguém vai poder negar
Uns abertos para o mundo
Outros mais de observar
Mas todos sem exceção
Gostam de se aconchegar

Não é só na juventude
Que o desejo aparece
Só muda a qualidade
O afeto fortalece
E viver sem emoções
Afinal ninguém merece

Experiência de vida
Vem junto com a idade
Muitos anos de convívio
Provocam cumplicidade
Companheirismo e afeto
Num clima de liberdade

Quem disse que os idosos
Se aposentam da vida
Só são avôs e avós
E tem vida aborrecida
Precisa nos seus neurônios
Dar uma boa mexida

Por incrível que pareça
Ainda há preconceito
Resquício da educação
Carregada de conceito
De que sexo é pecado
Falar era desrespeito

Talvez só com a idade
Auge do conhecimento
Onde a personalidade
Atinge o melhor momento
As formas de amor e sexo
Alcancem seu crescimento

A mídia traz o enfoque
Na imagem corporal
Distorcer essa visão
Faz um diferencial
Valorizando equilíbrio
E saúde emocional

Afetividade inclui
Sentimentos e emoções
Auto-estima também conta
Pra apimentar as paixões
É um pacote completo
Que alimenta as pulsões

As mudanças acontecem
Nem toda fase é igual
Há que se redescobrir
O que pra nós é legal
O desejo é que não muda
É impulso natural

Descobertas científicas
Vem pra desmistificar
E trazem as soluções
Para o sexo ajudar
Farmácias estão aí
É só ir lá e comprar

Importante envelhecer
Com qualidade de vida
E se nada acontecer
Dê uma boa sacudida
Se enfeite e saia pra o mundo
Com a alma abastecida

Ficamos encantados com o texto de Salomé, nossa cordelista de primeira linha. É sempre com prazer que ouvimos um cordel, essa riqueza cultural da nossa Região. Há pouco li no livro Lá Sou Amigo do Rei, de Carlos Marques, que um decano da Sorbonne um dos maiores especialistas em cordel de todos os tempos, Raymond Cantel, segundo o autor, havia deixado em testamento o seu acervo de milhares de livretos de cordel adquiridos em vários estados do Nordeste para a Universidade de Poitiers, em Paris, onde hoje se encontra digitalizado e conservado em salas cuidadosamente refrigeradas, para serem estudados por pesquisadores do mundo inteiro. Informação que muito nos alegra não só pela valorização dessa produção genuinamente popular em suas origens, como pela sua preservação senão aqui pelo menos no exterior. .

Em seguida,  Anita trouxe a sua releitura do conto – Hoje de Madrugada – de Raduan Nassar, onde ela conta a história a partir do personagem feminino, entregando-lhe a voz para falar dos seus sentimentos naquele encontro que ela mesma provocou durante a madrugada. O texto foi muito elogiado pelos viageiros que o acharam muito bem escrito, muito bem tecido, trazendo aspectos novos para a história .Apesar de muito bom, a ponto de alguns viageiros terem dificuldade de apresentar alguma sugestão de mudança, por sugestão de Júnior, foi proposto que ela desse mais espaço à histeria que uma rejeição daquela poderia provocar em uma mulher, afastando-se mais do autor Raduan Nassar, recriando as cenas ao estilo da escritora Anita. Ela concordou, ficando de apresentar posteriormente a sua reescrita.

O encontro terminou com a continuação da leitura do capítulos III de O Riso de Bergson.

                                         Lourdes Rodrigues

Lançamento Escrituras III – Manuscritos de Viagem

 

ESCALA DE VIAGEM
Salomé Barros

Uma festa arretada
Aconteceu de repente
Tinha vinho, tira gosto
E meio mundo de gente
Um clima de alto astral
Enfeitando o ambiente

Estava nascendo alí
O fruto de um trabalho
Produção interativa
Feito jogo de baralho
E tudo sincronizado
Sem cometer ato falho

O centro das atenções
Era privilegiado
Colocado na entrada
Para ser admirado
Estava tão atraente
Que foi muito cobiçado

Afinal ali estavam
“Manuscritos de viagem”
No período de um ano
Foi arrumada a bagagem
O grupo fez uma escala
Uma nova aterrissagem

A viagem não termina
Outras escalas virão
O caminho é infinito
Não existe previsão
E fazer investimento
É a grande opção

 A Festa do Lançamento

Anita Dubeux

A Oficina de Criação Literária Clarice Lispector, da Escola de Psicanálise Traço Freudiano Veredas Lacanianas, coordenada por Lourdes Rodrigues, lançou seu terceiro livro reunindo a produção dos participantes/viageiros durante o ano de 2016. O evento foi realizado na noite de 16 de dezembro, no acolhedor espaço cultural e gastronômico de Eugênia Menezes, o CANTO DI CUMÊ, em Casa Forte. Editado por Tarcísio Pereira, traz na capa e nas cortinas separadoras dos capítulos ilustrações dos viageiros Anita Dubeux e Paulo Tadeu.

ESCRITURAS III reúne os trabalhos literários dos escritores Anita Dubeux, Cacilda Portela, César Garcia, Eleta Ladosky, Everaldo Soares Júnior, João Gratuliano, Lourdes Rodrigues, Luzia Ferrão, Salete Oliveira, Salomé Barros e Teresinha Ponce de Leon.

O livro está divido em oito partes, contendo as contribuições dos participantes da Oficina resultantes do trato dos temas abordados em 2016.  A Criação literária, contos que ressaltam a paixão pelas palavras, o prazer de escrever; O Duplo contempla os escritos que abordam a figura da dualidade interpessoal, abordada na literatura e amplamente tratada durante a Oficina, com a leitura de autores que escreveram sobre esse tema com maestria, a exemplo de Dostoievski, Edgar Allan Poe e Fernando Pessoa; Servidão tema de difícil abordagem literária, onde se destacou a leitura e interpretação do conto Marido, da escritora portuguesa Lídia Jorge; Violência e Iniciação outro tema de árida abordagem, onde se destacou a leitura do magistral conto de Raduan Nassar, Menina a Caminho, suscitando os trabalhos interpretativos de cinco escritores. Erotismo amplamente lido e comentado. Obsessão, talvez o tema mais instigante, concentrado no conto de Lygia Fagundes Telles, Pomba Enamorada ou uma História de Amor. O livro traz ainda contos reunidos sob o título Outras Viagens, tratando de temas diversos e os Poemas dos Viageiros, com contribuições de três poetas integrantes da Oficina.

 

PROGRAMAÇÃO 2016

Imagem BrasilEscola

Imagem BrasilEscola

A paixão pelas palavras

O eu não é senhor em sua própria casa – Freud

Data de início – 17/02/2016

Período: 2016

Horário – `Quartas-feiras de 14:00  às 16:00

Local; Traço Freudiano Veredas Lacanianas Escola de Psicanálise – Rua Alfredo Fernandes, 285, Casa Forte, CEP-50060-320 –  Recife- PE

Contatos –Fone: 3265-5705 (Luciene). Blog: www.traco-freudiano.org/blog                                 Email: oficinaclaricelispector@bol.com.br

 A Oficina pretende em  2016 manter o foco na complexidade dos sentimentos humanos. Ela deverá possibilitar aos seus participantes viagens através da poesia, compartilhamentos de obras literárias e exercícios de desbloqueio criativo para desenvolver habilidade na escrita. Também serão realizadas leituras críticas de contos clássicos, com especial atenção para as entrelinhas e silêncios narrativos, visando potencializar o crítico literário inerente a cada um. Os participantes poderão participar da construção coletiva de um romance iniciado em 2015, como autor ou crítico.

Mais especifidades:

  • · Contato com a linguagem poética através da leitura de poesia;
  • · Compartilhamento de obras literárias sob a forma de empréstimo;
  • · Estímulo ao fazer literário diferente, fugindo do convencional, da mesmice;
  • · Descobrir habilidades na escrita;
  • · Facilitar a expressão na escrita;
  • · Fortalecer o estilo próprio de escrita;
  •  ·Exercícios intensos de escrita criativa a partir de linhas de história, jogos de     palavras, associações livres, releituras de narrativas clássicas, mudanças de   ponto de vista, alterações de cenário, tempos de narrativas, diálogos;
  • · Leituras críticas, desconstruindo histórias aparentes, possibilitando a               reconstrução a partir dos não ditos, das metáforas;
  •   Fortalecimento do senso crítico a partir da leitura particular e dos                 instrumentos de análise literária;
  •  Participar como crítico ou autor da construção coletiva do romance iniciado  em 2015;
  • Postagens no blog da Oficina da produção dos participantes.

Como vai funcionar:

Trabalhos em grupo e individual de escrita, utilizando papel e caneta, computador ou tablet. Leituras de poemas e contos no computador, tablet, celular ou impressos.

Possíveis participantes:

Interessados em desbloquear a escrita, viajar pelas emoções através da Literatura, do mistério e deslizamento das palavras formando novos sentidos; potenciais escritores e críticos literários movidos pelo desejo de escrever e ler.

Bibliografia:

Carmelo, Luís .Manual de Escrita Criativa – V.II – Portugal,2007
D’Onofrio, Salvatore – Forma e Sentido do Texto Literário – Atica, São Paulo, 2007
Goldberg, Natalie – Escrevendo com a Alma – Martins Fontes, São Paulo, 2008
Kohan, Silvia Adela – Os Segredos da Criatividade –  Gutenberg, São Paulo, 2009
Lodge, David.A Arte d a Ficção- L&PM, Porto Alegre, 2009
Llosa, Mario Vargas – Cartas a um Jovem Escritor
Moisés, Massaud– A criação Literária –Cultrix, São Paulo
Prose, Francine – Para ler como um escritor,
Wood, James. Como Funciona a Ficção – COSACNAIFY,São Paulo, 2011

Sugestões de bibliografia para Contos:

Casares, Adolfo Bioy, Gomes, Jorge Luis -e Silvina – Antologia da Literatura Fantástica, COSACNAIFY, São Paulo.
Costa, Flávio Moreira – Os Melhores Contos de Loucura – Ediouro, 2007
Os 100 Melhores Contos de Humor da Literatura Universal, Ediouro, 2001
Os 100 Melhores Contos de Erotismo da Literatura Universal, Ediouro
Os Melhores Contos da América Latina, Agir, 2008
Gomide, Bruno Barreto (Org.) – Nova Antologia do Conto Russo (1792-1998), Ed.34, São Paulo.
Mansfield, Katherine – K. Mansfield, COSACNAIFY, São Paulo
Poe, Edgar Allan – Contos de Imaginação e Mistério, Tordesilhas, 2012
Renner, Rolf G e Backes, Marcelo – Escombros e Caprichos – O Melhor do Conto Alemão no Século 20
Wilde, Oscar – As Obras Primas – Ediouro, 2000
Woolf, Virgínia – V. Woolf, COSACNAIFY, Sâo Paulo
Coordenação:

Lourdes Rodrigues publicou dois livros de contos: Bandeiras Dilaceradas e Situação-Limite pela Bagaço.Participou de algumas Antologias de Contos da UBE, de Benito Araújo e da Oficina de Raimundo Carrero, da qual fez parte por mais de 10 anos. Organizou e prefaciou o livro Escrituras, publicação que contemplou os textos literários dos participantes da Oficina relativos ao período 2006/2009.  Organizou, prefaciou e participou com contos e ensaio de Escrituras II, que abrangeu os trabalhos literários dos oficineiros de 2010 a 2013. Coautora de A Criação Literária à Luz do livro Incidentes em um Ano Bissexto de Luiz-Olintho Telles da Silva. Outra importante área de seu interesse sempre foi a Psicanálise, tornando-se membro do Traço Freudiano Veredas Lacanianas Escola de Psicanálise em 2003, onde participa de estudos de Arte e Psicanálise e de Literatura. Desde 2006 coordena no Traço  a Oficina de Criação Literária Clarice Lispector, primeiro dividindo o leme com outros colegas viageiros dos mares das palavras, depois num trabalho coletivo com os seus integrantes. Decorrente desse vínculo com o Traço foi coautora do livro rodopiano e publicou vários ensaios na Revista Veredas, participando há dois anos do conselho editorial da Revista.

Viagem pelo Sentir

Viageiros e viageiras,

após breve e agradável remanso em terra firme é tempo de embarcar e içar as velas. Lancemo-nos ao mar que os ventos são favoráveis, o mar convidativo. Se a disposição dos navegantes estiver inspirada no sentir tudo de todas as maneiras, como bem diz o poeta Fernando Pessoa, teremos mais uma grande viagem para anotar em nosso diário, porque esta é a maior de todas as inspirações:

*A Melhor Maneira de Viajar é Sentir

Afinal, a melhor maneira de viajar é sentir.
Sentir tudo de todas as maneiras.
Sentir tudo excessivamente,
Porque todas as coisas são, em verdade, excessivas
E toda a realidade é um excesso, uma violência,
Uma alucinação extraordinariamente nítida
Que vivemos todos em comum com a fúria das almas,
O centro para onde tendem as estranhas forças centrífugas
Que são as psiques humanas no seu acordo de sentidos.

Quanto mais eu sinta, quanto mais eu sinta como várias pessoas,
Quanto mais personalidade eu tiver,
Quanto mais intensamente, estridentemente as tiver,
Quanto mais simultaneamente sentir com todas elas,
Quanto mais unificadamente diverso, dispersadamente atento,
Estiver, sentir, viver, for,
Mais possuirei a existência total do universo,
Mais completo serei pelo espaço inteiro fora.
Mais análogo serei a Deus, seja ele quem for,
Porque, seja ele quem for, com certeza que é Tudo,
E fora d’Ele há só Ele, e Tudo para Ele é pouco.

*Trecho do livro Poemas, de Álvaro de Campos,
Heterónimo de Fernando Pessoa

Se as condições atmosféricas são atraentes, se os navegadores estão movidos pelo desejo de sentir, urge abrirmos a carta de navegação para 2015, cujo desenho não tem a rigidez dos icebergs, mas a flexibilidade das velas sob o humor dos ventos. Assim, se preciso for, outra rota será construída e a nau seguirá em frente em busca de novos sentimentos. Para isso, já temos outra carta em discussão, além daquela que primeiro apontaremos o leme. E parafraseando o poeta português que ora nos inspira: A vida é o que fazemos dela. As viagens são os viajantes. O que vemos não é o que vemos, senão o que somos.

CARTA DE NAVEGAÇÃO

Leituras:

42691740Os Mortos – James Joyce – A primeira leitura.

Para os que ainda não leram James Joyce é um bom início. Alguns dos nossos viageiros já tiveram oportunidade de ler obras bem mais complexas do autor, tais como Ulisses (tradução de Antônio Houaiss) e Finnegans Wake (pelo menos o primeiro volume, na tradução Donaldo Schuler) aqui mesmo no Traço, em outros grupos de estudos. Eu confesso que participei dos dois grupos e adorei a leitura de Ulisses, tanto que reli várias vezes longos trechos do livro para fazer o ensaio Quem tem medo de James Joyce?ou enjoyceando os diários de Virgínia Woolf. Entretanto, não consegui sequer ler o primeiro volume de Finnegans Wake, embora goste de leituras complexas, herméticas, não me atraiu o suficiente para enfrentar a árdua tarefa que teria à frente.

Os Mortos é um conto do livro Dublinenses que conta a visita de Gabriel Conroy às tias solteironas, professoras de música, que o consideram o sobrinho mais querido. Na volta para o hotel, o personagem tem uma revelação sobre o passado da sua esposa Gretta. A sua reação a tal revelação é o elemento dramático do conto. Trata-se de um texto literariamente consagrado da obra do autor.

Os Mortos, James Joyce, Grua Livros, 1ª Ed, São Paulo, 2014, tradução Eduardo Marks de Marques

42235675A Lição do Mestre – Henry James.

Há muito desejávamos ler alguma obra de Henry James na Oficina. Agora, chegou a hora. Lição de Mestre é uma história bem estruturada, ambígua. São dois personagens fortes o velho escritor George e o seu discípulo, o jovem romancista Paul Overt. Narrada na terceira pessoa, sob o ponto de vista de Paul Overt, trata da incompatibilidade da vida literária relevante com o casamento. Segundo George, a única preocupação do artista literário deve ser com o “absoluto”, visto que nada meramente relativo interessa. Nesse sentido, as esposas podem representar uma “curva perigosa”, pois um escritor que se poupa não constitui nem sustenta uma família. Esta é a lição que ele passa para o seu discípulo que a segue, afastando-se da sua amada. Mas, o leitor ficará surpreso com o desfecho desse aconselhamento. A vida literária londrina também é passada a limpo pelo autor.

A Lição do Mestre, Henry James, Grua Livros, 1ªed. São Paulo, 2014, tradução Paulo Henriques Brito

Nadja_livre_de_pocheNadja, André Breton

Este romance, publicado em 1928, foi um marco no modo de fazer literatura, pela sua proposta radical, de certo modo, antiliterária. André Breton, seu autor, líder do movimento surrealista, movimento de vanguarda que visava, através da exploração do inconsciente, dissolver as barreiras entre arte e vida. Diz-se que é antiliterária porque ele utiliza 47 fotos num pressuposto de que elas darão ao leitor, toda a descrição necessária à compreensão da narrativa. Mas, as fotografias vão além das descrições, pois as imagens para os surrealistas possuem papel preponderante, não foi à toa que muitos pintores famosos já na época aderiram ao movimento, como é o caso de Salvador Dali.
Trata-se de uma história de amor, cheia de mistérios, incertezas. Breton usa o romance para atacar o capitalismo que, segundo ele, impede o sonho como potência subversiva e promove a alienação em massa, criando um sistema de aviltamento a que submete à maioria das pessoas.
Surpreendentemente, no início do romance o personagem se pergunta, Quem sou eu? Em seguida, pergunta a misteriosa Nadja: Quem é você? Eu sou a alma errante.
Nadja não está disponível à venda nas livrarias. Assim, vamos ter de apelar para à biblioteca virtual para consegui-lo.

 LEITURAS COMPLEMENTARES OU ALTERNATIVAS

Crime e Castigo ou Irmãos Karamazov – Dostoievski.

Ainda não definimos o que vamos ler de Dostoievski. Alguns preferem Os Irmãos Karamazov, outros, Crime e Castigo.
Teremos muito tempo para discutir e chegar à melhor opção para o momento da Oficina. Ambas são obras grandiosas,clássicos da Literatura, qualquer escolha vai resultar em ganho e perda, não temos dúvida.Alguns viageiros, já leram as duas obras, eu e Júnior, por exemplo, outros, apenas uma delas, alguns ainda não tiveram essa oportunidade. Mesmo para os que as leram essa leitura coletiva trará uma outra visão literária, sem contar que a memória já não dá conta do que foi lido tantos anos atrás.

irmãos-karamazovOs Irmãos Karamazóv – Em verdade, em verdade vos digo que, se o grão de trigo que cai na terra não morrer, fica infecundo; mas, se morrer, produz muito fruto. São João, Cap. XII, Vers. 24 e 25. Esta é a epígrafe do prefácio do livro que foi escrito pelo próprio autor. Dependendo da publicação, obra extensa com 1600 páginas, que envolve analogias sobre conceitos morais da Russia czarista do século XIX, principalmente sobre materialismo, religião e nacionalismo. A célebre frase: Se Deus não existe, tudo é permitido?, está aqui em Irmãos Karamoóv..Freud fez estudos sobre a obra que estão no seu ensaio Dostoievski e o parricídio.

crime-e-castigoCrime e Castigo é um dos maiores romances da história da Literatura, cuja característica maior é a reprodução da angústia psicológica de um personagem que desde o início já sabemos ser um assassino. A trama envolve suspense e grande tensão, de profundidade psicológica única, passado na turbulenta Rússia czarista do século XIX.

o-filho-de-mil-homens-valter-hugo1O filho de Mil Homens – Valter Hugo Mãe

O filho de mil homens narra a história do pescador Crisóstomo, “um homem que chegou aos quarenta anos e assumiu a tristeza de não ter tido um filho”. Com vontade imensa de ser pai, o protagonista conhece o órfão Camilo, que um dia aparece em sua traineira.

download (1)O Jovem Törless – Robert Musil.. Descreve a vida de adolescentes em um internato alemão, onde a severidade do sistema
educacional conjuga-se à brutalidade do comportamento dos alunos.
Ed. Nova Fronteira

fogo20morto

Fogo Morto – José Lins do Rego – Obra-prima de José Lins do Rego, esse romance regionalista mostra o declínio dos
engenhos de cana-de-açúcar nordestinos e traça amplo perfil das figuras decadentes que giravam em torno dessa
atividade econômica.

Escritas  O trabalho de artesão do escritor:

  • Continuidade do romance, contos e resenhas.
  • Divulgação no Blog da produção literária

Técnicas

  • Como elaborar uma resenha com análise literária
  • Estruturação do Romance
  • Foco Narrativo, tempo e espaço narrativos