Colono ou Pedra Branca

Ao iniciarmos a leitura de Édipo em Colono, de Sófocles, coincidentemente, havia lido há pouco sobre Pedra Branca ou Colono no livro Os dez amigos de Freud, de Sérgio Paulo Rouanet. Ali ele faz a análise das escolhas literárias de Freud. No capítulo que ele se refere a Anatole France, e à prioridade que Freud dera dentre as obras do autor, ao romance SobrePedra Branca, ele diz que talvez isso tenha ocorrido porque o livro havia sido lançado pouco tempo antes de Freud fazer a lista. Mas ele acrescenta que a escolha poderia ter sido, também, pelas muitas possibilidades analíticas que o romance permite, o que era bastante comum nas obras daquele autor.

O termo “pedra branca” para os gregos da Grécia antiga é muito  rico em simbolismo psicanalítico, segundo Rouanet. Pedra Branca era um acidente geográfico, cabo situado ao sul da ilha de Lêucade, onde havia um templo de Apolo. A sua história mítica está ligada ao amor e à sexualidade, à polaridade amor-morte, Eros-Tanatos.Por amor, as pessoas se jogavam no mar, do alto do rochedo. Segundo Menandro, Safo teria se suicidado nesse lugar, por amor a Phaon. Contudo, de acordo com uma tradição mais tardia, a primeira a jogar-se do Cabo Lêucade, por amor, teria sido Afrodite, em pessoa, desesperada com a morte de Adônis.  Sexo, na Pedra Branca, também estava ligado à embriaguez, essa morte provisória. Num drama satírico de Eurípedes, O Ciclope, Sileno diz que daria tudo para beber um copo de bom vinho, mergulhando, da Pedra Branca, num estado de embriaguês, no qual “é permitido fazer aquela coisa ficar dura, agarrar um seio e tocar com as duas mãos a vulva”.

Colona (ou Colono) está na geografia mítica da Grécia, na descrição de Sófocles, como “branca” . Em Édipo em Colono Sófocles diz que o “herói foi engolido pelo mundo subterrâneo perto da rocha de Thorikós, na cidade ‘branca’ de Colona.” Thorikós, diz Rouanet, deriva do substantivo sêmen, que por sua vez é construído a partir do aoristo do verbo saltar. “Saltar e ejacular, isto é, produzir um líquido ‘branco’ que ‘salta’ de um ‘cabo’, pertencem assim ao mesmo universo etimológico e simbólico,”

Rouanet diz ainda que Freud poderia seguir uma outra trilha associativa, vendo na pedra branca não somente um símbolo sexual ou o cenário da junção entre ao amor e a morte, mas uma fronteira entre a consciência e a inconsciência, pois em todos os nossos exemplos a pedra branca assinala a passagem do estado consciente para um estado de perda de consciência: perda definitiva, no caso da morte, ou temporária, no caso da embriaguês e do sono.

Colono, saindo da análise de Rouanet, foi o local para onde retornou Sófocles quando estava muito velho, próximo à morte. Ali ele escolheu para levar Édipo, depois de muitos anos de andança, para finalmente fazer o seu mergulho definitivo, saindo para sempre da vida onde ele conheceu os sofrimentos mais abomináveis que um ser humano poderia suportar: matar o próprio pai e casar com a mãe.

 

Jaboatão dos Guararapes, 21 de maio de 2013

Lourdes Rodrigues

Uma ideia sobre “Colono ou Pedra Branca

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × dois =