Conversa com Fernando Pessoa

O nosso Momento Poético continua sendo um dos grandes momentos da nossa viagem às quartas-feiras. Nessa ocasião, ora são homenageados poetas além mar, ora do nosso continente, outras vezes das cercanias nordestinas ou da nossa cidade. Mas, quando lemos um poema de um dos navegantes, sempre junta-se a  emoção do dizer poético ao orgulho de se estar tão perto naquela viagem do seu criador. É sempre assim.

Fernando Gusmão é um viageiro recente no chegar, mas já lançou âncoras profundas nos nossos mares, tanto pela sua participação durante as viagens, a  gentileza com os companheiros, como e principalmente pelo grande interesse pelo saber das coisas literárias, razão maior da existência desse grupo.  Levou para o Momento Poético um  poema dedicado à sua amada Adriana, inspirado, ainda, em dois grandes poetas, Fernando Pessoa e Omar Khayaam.

CONVERSA COM FERNANDO PESSOA

Para Adriana

Pessoa falou:

“Se tive amores? Já não sei se os tive.

Quem ontem fui já hoje em mim não vive.

Bebe, que tudo é líquido e embriaga,

E a vida morre enquanto o ser revive”.

Por sua causa, cantei diferente:

Se tive amores? Ela mostra quanto tive.

O bem que sempre flui hoje em mim vive.

Bebo à Vida que de Amor me embriaga.

Se eu morro por ela a Vida em mim revive.

O Poeta insistiu:

“Cada dia me traz com que esperar

o que dia nenhum poderá dar.

Cada dia me cansa da esperança,

mas viver é esperar e se cansar”.

Respondi:

Cada dia é razão para dela esperar

o que de melhor ela tem para me dar.

Em cada dia vive minha esperança.

Viver a esperá-la nunca será cansar.

Ele retrucou:

“O prometido nunca será dado,

porque no prometer cumpriu-se o fado,

O que se espera, se a esperança é gosto,

gastou-se no esperá-lo, e está acabado”.

Encerrei:

Ela prometeu e sei que a mim será dado,

pois o Amor é certeza, é fato, é fado,

Ela é diferente: nela, esperança é gosto,

promessa do Querer pronto e acabado.

 Fernando Gusmão, 2002

Notas:

1 – Do Livro Poesias Inéditas, 1930-1935, de Fernando Pessoa

2 – Rubaíyyat de Omar Khayaam

3 – Ruba’i – Estrofes formadas por 4 versos, esquema rimático AABA, característico do ruba’i.

4 – Ghiyath al-Din Abu’l-Fath Umar ibn Ibrahim al-Nisaburi al-Khayyami, mais conhecido como Omar Khayaam, (1048-1131 d.C.), iraniano, foi um matemático, astrônomo, filósofo e poeta muçulmano persa, cujos interesses também incluíam a música, a mecânica e a geografia.

Khayyam é conhecido por seus rubaíyyat (quartetos), que são estrofes de duas linhas formadas por duas partes. O termo é derivado da raiz árabe da  palavra “quatro”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − quatro =