Homenagem aos cem anos de Clarice Lispector

Clarice, a pobre /rica

Luzia Ferrão

Sou, sim. Muito pobre. Só tenho um corpo e uma alma. Assim falou Clarice e ficamos morrendo de inveja desta pobreza. Oh Clarice, esse anúncio nos enche de inveja (da boa, será?). Passados cem anos e esta pobreza, a cada leitura e releitura dos seus textos, enriquece nossa pobre e única alma.

Sou o que quero ser, porque possuo apenas uma vida e nela tenho a chance de fazer o que quero. Sabe Clarice, acho que entendi o que está escrito nesta frase. As pessoas mais felizes não tem as melhores coisas, elas sabem fazer o melhor das oportunidades que aparecem em seu caminho. Gostei, você mesmo respondeu e imaginei ela de fato aproveitou todas as oportunidades, caso contrário não teria deixado uma herança tão incomensurável. Coitado dos milionários que conhecemos, são tão pobres se comparados à nossa madrinha. Ela é tão rica que nos acompanha na riqueza e na pobreza, na beleza e na feiura, na tristeza e alegria.

Posso escrever, sonhar, fazer o que quiser, até escrever errado, mal escrito, como agora, porque ela outro dia me avisou: Sonhe com o que você quiser. Nunca sofra por não ser uma coisa ou por sê-la.

Infelizes e felizes seremos sempre. Buscaremos consolo e sua benção minha madrinha, sempre. Obrigada pela seu centenário.

Dezembro, segunda fase da pandemia. Ui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito + 5 =