Monólogo Interior

MI0002861493Na próxima quarta-feira, 18 de março, iremos ler o Monólogo de Molly Bloom, longo trecho extraído de Ulisses, obra de James Joyce, cuja relevância literária permitiu-lhe assumir identidade própria, sendo inclusive publicado, em separado, por algumas editoras.

O Monólogo de Molly Bloom ficou famoso porque tentou reproduzir os mecanismos do pensamento de forma literária. Tudo ocorre na mente  do personagem, como se o “eu” falasse a si próprio. Há certa dificuldade de algumas pessoas aceitarem que esse tipo de monólogo é um diálogo. Se é mono, dizem, subentende-se que é único, uno, e não duo, dois. Todavia, esse uno, esse um dirige-se a um outro, subentende a presença de um ouvinte, de um “tu” com quem ele ou ela fala. Há um duplo, aí, com certeza, a quem o “eu” se dirige,  troca ideias, conversa, briga, agride, xinga. . No monólogo interior são expressos os recônditos da alma do personagem, os seus desejos mais reprimidos surgem de forma escancarada, assim como as suas fantasias mais lúbricas.

Há duas formas de escreve-los. De forma indireta, quando a presença de um narrador é evidente, um narrador onisciente que relata todos os fluxos de pensamento dos seus personagens, não lhe escapando o menor e mais íntimo pensamento, muito comuns em Virgínia Wolf, em William Faulkner; e o monólogo interior direto que ficou celebrizado pelo Monólogo de Molly Bloom em Ulisses, escrito por James Joyce, em que  o narrador é o próprio personagem que se revela em sua fala, num tempo presente dominante, mesmo quando se refere ao passado, num fluxo de consciência que jorra sem parar. Toda pontuação é desconsiderada, abrindo espaço para o caos gramatical, numa tentativa de escamotear por completo a presença de um terceiro..

É preciso ter fôlego para esse tipo de leitura, é preciso se despojar de todo um arsenal de conhecimento gramatical e de recursos estilísticos para apreciar com prazer essa leitura. Com certeza os navegantes dos mares das palavras estão preparados para essa grande viagem. Usaremos as traduções de Houaiss e de Caetano Galindo.1022784-250x250ulisses_james_joyce

Segue um trecho do monólogo que iremos ler.

 

 

2 ideias sobre “Monólogo Interior

Deixe uma resposta para Salete Oliveira Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × cinco =