O Patinho feio

O patinho feio

*Luzia Ferrão

O mundo é belo! Resplandece em cores, sons e sombras também necessárias! Faz parte neste ideário mundo esperar, uma espera planejada, limitada pelo conhecimento e pela experiência, do acaso falsamente certo. A fragilidade da certeza se antepõe ao conhecimento, impacientando o tempo da espera. Se existe fato, quase sempre, recorrente, quando o “inesperado faz uma surpresa” na forma ou no conteúdo, ou nos dois, é uma “graça” alcançada, medida pela quantidade. Se cinco são perfeitos, valeu a pena o empreendimento, o sexto é excludente. Viva! Deixemos como resto, o resto que receberá uma parte do legado, na forma de aprendizado, proteção, carinho como cumprimento da obrigação imposta, como dever inquestionável, mas, se possível, afastado.

No modelo de beleza, o feio é o destoante, é o mal que deve ser perseguido e afastado, talvez extinto. Impedi-lo de se reproduzir é uma tarefa nossa preservando a natureza de tudo que é bom e belo. Guiem-se pelos sons, pelas cores, pelos cheiros que elevam a natureza de todas as coisas. A grandeza do mundo se faz através deste compartilhamento: “Louvando o que bem merece, deixando o ruim de lado.” A louvação não é questionável, é agregadora, é segurança “na saúde e na doença”. Venceu a peste! “O mundo é assim” não matem, deixem que O MUNDO se encarregue do diferente. Está vendo aquele mais belo que você? Respeite, siga o exemplo, bajule e O MUNDO reservará um lugar de destaque para você. Mas, provavelmente, palavra horrível, se quer continuar feio, sem os requisitos que possam transformá-lo de insignificante pinto em belo cisne, missão quase impossível, supere o medo, a resignação, a angústia de ser um pobre coitado rejeitado sem espaço NO MUNDO ou escolha morrer. Talvez por generosidade, ou outro sentimento, existem grupos que acreditam e colaboram com o MUNDO DOS FEIOS.

O final feliz como forma absoluta só existe nos contos, nas fabulas, olhe ao redor: hoje é verão, inverno ou primavera? Escolha em que parte DO MUNDO quer viver.

  • * Luzia Ferrão – professora universitária, assistente social, contista, ensaísta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + seis =