Viageiros em ação

Sobrescrever

*Salete Oliveira

Não me perguntes porque escrevo,
São pensamentos que saem de mim
a ganhar a rua,
voam levados pela brisa a olhar a cidade do alto,
Com olhos curiosos de descobrir novidades,
Com olfato a xeretar memórias adormecidas em sonhos
Folhas soltas cadernos amarelados.
Mas um poço fundo ainda inexplorado há,
Vejo meu reflexo na sua água
Onde o frio desperta as lembranças.
Não tenho medo de poços profundos,
Há areia ao fundo e cordas amarradas a baldes, convívio com gias, elas lá, eu cá; os sapos, que fiquem nas lagoas com pés sujos.
Sempre podemos cantar
fazer um coro em lugar de boa acústica,
Seremos sereias de poços a tecer fantasias de habitarmos amplos mares explorados por Ulisses?

** Maria Salete Oliveira – engenheira química, poeta, cronista, ficcionista

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × 2 =